Doca despede-se das pistas de corridas no GP Michelin em Interlagos

Doca cumpre sua última corrida como piloto
 e passa a se dedicar exclusivamente
 ao comando do Team De Grandi
 
 Piloto de Piracicaba encerra na segunda etapa do Moto 1000 GP carreira de quase três décadas como piloto de motocicletas

O GP Michelin, segunda etapa do Moto 1000 GP, marca a despedida de Alecsandre Brieda De Grandi, o “Doca”, das pistas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. O piracicabano fará na corrida deste domingo (15) em São Paulo (SP), no Autódromo José Carlos Pace, sua última participação como piloto para, a partir de então, dedicar-se exclusivamente à chefia do Team De Grandi, que tem pilotos nas categorias GP 600 e GPR 250.

 “Vou me despedir das pistas como piloto, mas vou continuar envolvido como chefe de equipe”, frisa. Na atual temporada, o Team De Grandi atua na série-escola GPR 250, tendo Nic Nottingham, da cidade paulista de São Pedro, como piloto da Kawasaki Ninja número 98. A partir do GP Michelin, a equipe também estará na GP 600, com os cariocas Walteny Amaral e Antonio Télvio, inscritos com as Kawasaki ZX6-R inscritas com os números 29 e 85.

Doca, piloto da Honda CBR 1000 número 90 na categoria GP 1000, a principal do Moto 1000 GP, seis títulos nacionais nas categorias 125cc, 250cc e 600cc. “Sou o único piloto que conquistou quatro vezes a vitória nas 500 Milhas de Interlagos”, destaca, sem esconder o orgulho. “Embora eu não more em São Paulo, Interlagos é como se fosse o quintal da minha casa. Venci corridas nessa pista, foi onde vi que poderia viver como piloto profissional”.

Aos 43 anos, Doca diz já ter assimilado o momento de despedia. “É uma decisão que eu já vinha amadurecendo desde o ano passado. Viabilizar um esquema realmente de ponta para pilotar hoje em dia está muito difícil. Preferi focar no comando da equipe e manter uma boa condição para os pilotos que estão comigo. Vou para o grid bem tranquilo, buscar um bom resultado, depois da corrida a vida segue. Sou muito grato por tudo que já conquistei”, explana.

De Grandi foi um dos quatro pilotos que marcaram pontos em todas as etapas do Moto 1000 GP em 2013. Ficou em sétimo na classificação final. “Se consegui construir uma carreira foi graças aos patrocinadores, que apostaram no meu trabalho, no meu talento. Sempre tive parcerias duradouras e isso foi fundamental, e devo muito também aos que torceram por mim, à minha família, ao meu pai, de quem herdei essa paixão pela velocidade”.

As motocicletas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o óleo lubrificante Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, fornecedora de pneus a todas as equipes inscritas. A Auto Service Logística é a transportadora oficial do evento, que conta também com o apoio de Suzuki, Beta Ferramentas, Servitec, LeoVince, Shoei, Tutto Moto, HPN e Peterlongo.


Fonte: Grelak Comunicação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
imagem-logo
© Guerreiros do Asfalto DF - 2012 - Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo