Catadores de lixo bloqueiam entrada de aterro sanitário no Distrito Federal



Motoristas de caminhões de lixo não conseguiram entrar no aterro sanitário da Estrutural, no Distrito Federal, na manhã desta terça-feira (17) (Foto: Rafaela Céo/G1)
Motoristas de caminhões de lixo foram impedidos de entrar no aterro sanitário da Estrutural, no Distrito Federal, na manhã desta terça-feira (17) (Foto: Rafaela Céo/G1)

Catadores de lixo que trabalham no aterro sanitário da Estrutural, no Distrito Federal, bloquearam na manhã desta terça-feira (17) a entrada de caminhões no lixão. Os trabalhadores reclamam que as máquinas que espalham os resíduos estavam quebradas por falta de manutenção, o que impede que as montanhas de lixo sejam desfeitas e a coleta de material seja realizada.






Trabalhadores dizem que máquinas de separação de lixo estão quebradas.
Quebec Ambiental informou que cinco máquinas estavam em operação.

Do G1 DF





Catadores reclamam que as máquinas que separam e espalham os resíduos estão quebradas (Foto: Rafaela Céo/G1)
Catadores reclamam que as máquinas que
espalham os resíduos estão quebradas
(Foto: Rafaela Céo/G1)
A empresa Quebec Ambiental, responsável pelos equipamento no aterro sanitário da Estrutural, nega problemas com todas as máquinas. A Quebec informou que opera com dez máquinas no aterro, mas que apenas uma estava quebrada nesta manhã.

Outras quatro estavam fora de operação porque passavam por manutenção. Segundo a empresa, a máquina quebrada já havia voltado a operar às 15h30 e a expectativa era que todas as dez estivessem em funcionamento até o final desta tarde. Polícia Militar calcula que cerca de cem caminhões foram barrados de entrar no lixão esta manhã. O tenente Luiz Lima, da Polícia Militar, informou que alguns motoristas estavam deixando os contêineres nas proximidades do aterro.Para Rodrigues, se o lixão da Estrutural ficar fechado o dia todo, 5 mil toneladas de entulho da construção civil deixarão de ser descarregadas no local.Licitação
De acordo com o grupo de catadores que fechava a entrada do lixão, a única máquina que estava em funcionamento quebrou no início do dia. Para eles, seriam necessários seis equipamentos em bom estado – quatro para cada um dos pontos do lixão e duas de reserva. 
O presidente da Cooper Coleta Ambiental, João Rodrigues, diz que as máquinas da empresa têm situação precária, o que é negado pela Quebec. De acordo com a empresa, todas as máquinas da empresa têm ano de fabricação entre 2009 e 2010.
O Tribunal de Contas do Distrito Federal liberou no dia 29 de abril a licitação para contratação da empresa que vai operar e manter o aterro de resíduos sólidos do Jóquei, na Cidade Estrutural. O processo estava suspenso porque uma das empresas que desejava disputar a concorrência havia protocolado ação no Tribunal de Justiça do DF para garantir sua participação.
De acordo com o Tribunal de Contas, a empresa desistiu da ação. O GDF estima que o valor do novo contrato seja superior a R$ 13 milhões. O processo licitatório do aterro já tinha sido suspenso pelo TC anteriormente por irregularidades no edital, que, segundo o tribunal, foram solucionadas.
Atualmente, a maior parte do lixo produzido no DF é levado para o lixão da Estrutural, que já acumula mais de 30 milhões de toneladas de resíduos. Além disso, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) estima que, todos os dias, três toneladas de entulho são retiradas de áreas que não deveriam receber os resíduos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
imagem-logo
© Guerreiros do Asfalto DF - 2012 - Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo